Liberdade

Liberdade
E de repente não há mais o pranto
secaram-se as lágrimas de dor
voou para longe aquele velho amor
deixando espaço para um novo canto.

Como, pela manhã, ver o sol raiar
trazendo uma suave brisa de serenidade
me afastando sem querer voltar
correndo por campos Elísios de liberdade.

E de você não resta sequer saudades
só um adeus pelo que foi vivido
e um gosto amargo de tempo perdido,

já não participo de suas verdades
escondi minhas faces pelo meu recanto
e assim os olhos perderam todo encanto...

Postagens mais visitadas deste blog

O Solista: a arte que imita a vida.

Carnaval (Não Faz Minha Cabeça)

Mudanças