Beber, Jogar, Fo@#er

Este foi um daqueles livros cujo passei por ele em uma prateleira e pensei “vou levar”, pura e simplesmente pelo título.
Nem tanto, de imediato, comparei-o com Comer, Rezar Amar, que resenhei recentemente (já com a intenção de escrever sobre este). Beber, Jogar, Fo@#er é a versão masculina daquele, que conta a jornada de, acreditem, ninguém menos que o marido de Liz. Em seu livro, Liz pouco fala de seu marido e do divórcio enquanto Bob conta como sua mulher o traiu e lhe meteu um pé na bunda.
Beber, Jogar, Fo@#er é uma história divertida, daquelas que a gente quer ler rápido e não perder nenhum detalhe. Escrito por Andrew Gottlieb, a simplicidade e o drama sarcástico que o autor faz deixa a leitura deliciosa. Narrado em primeira pessoa, direto (sem diálogos) Bob conta como tirou um ano de férias, pegou as economias que juntara durante os oito anos de casados e foi para a vida de farra. Nesse período, Bob visitou três lugares marcantes que mudaram sua vida e sua percepção do mundo e das coisas que lhe acontecia.
Primeiramente, Bob passou quatro meses na Irlanda, em Dublin. A cidade é conhecida por ser a capital da bebida, de onde vem os melhores whisky e onde estão os melhores pubs. Na Irlanda, Bob conhece Colin que vira seu “guru” dos botecos. Eles frequentam o maior número de bares, bebem a maior quantidade de bebidas que conseguem e levam uma vida boemia, fazendo amigos e se divertindo à beça.  Em um dia, próximo da partida de Bob, ele conhece a Alicia, na trilha do whisky.
Os quatro meses seguintes, Bob passa em Las Vegas, entre os cassinos e campos de golfe. Em Vegas, foi a vez dele conhecer Rick, um personal trainer que entendia muito da sorte e das noitadas na cidade. Bob e Rick ganharam muito dinheiro, mas também perderam muito, no final das contas o que restou foi uma bela experiência e muita diversão.
Finalmente, Bob vai para Tailândia, em busca de sexo. Os últimos quatro meses da temporada eram os mais promissores. Apesar de proibido, Bancoc é a capital da prostituição e da pornografia e, por lá, eles comercializam sexo como se fosse, literalmente, comida. Bob entra nessa onda e tem a chance de ter as melhores e mais prazerosas experiências sexuais, só que...
Bom, particularmente, eu comecei a ler o livro em busca de uma leitura divertida, e encontrei. Em todo momento eu fiz comparações (de gênero mesmo) entre este e Comer, Rezar, Amar e posso afirmar que este é infinitamente mais rico e criativo. Bob é uma pessoa carismática e de sorte, afinal não é sempre que encontramos os amigos certos no aeroporto. Por um momento cheguei a pensar que Rick era imaginário, de tão perfeito, mas no fim, acabei por me convencer. Inclusive é Rick quem consegue a estadia no paraíso Tailandês para Bob.
Os direitos do livro foi comprado pela Warner, mas não se por terem dificuldade de adaptar a comédia ou porque Comer, Rezar, Amar não fez o sucesso esperado nas telonas, ainda não foi anunciado se o filme saíra, de fato. 

Bom, eu adorei o livro até as últimas dez páginas. Para mim o final foi frustrante e clichê de mais (não vou contar pra não perder a graça). Deixei o reticências no fim da descrição da parte da Tailândia não foi à toa, foi assim que me senti por esperar um final e ocorrer outra coisa. (Escritores deviam ser proibidos de fazer isso), mas como cada pessoa tem opiniões e sensações diferentes com livros, li críticas positivas e negativas sobre. Eu reescrevi mentalmente o meu final, totalmente diferente da visão do autor... 

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias do Heavy Metal - Mustaine

Sobre como administrar o tempo para ter tempo

Sobre coisas que eu não queria dizer