Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2011

E eu com isso?

Imagem
As drogas vêm ganhando espaço diante de nós. Há algum tempo atrás essa era uma realidade muito distante da maioria das pessoas, cunhava predominantemente entre gente de classe baixa que recorria a esse meio, muitas das vezes, para aliviar a discriminação social e alimentar uma realidade inventada. Outras vezes até mesmo para sustento próprio, devido às condições precárias de sua existência. Claro que estou generalizando, e sei que antes mesmo, já havia aqueles "cegos" pelo poder e dinheiro que sustentavam o tráfico, mas o que quero ressaltar é que hoje, esse quadro está muito invertido e pessoas de todas as classes, todo tipo de instrução e de cultura, estão enveredando por esse caminho. Hoje existem mais recursos, mais comunicação, mais conectividade e muito mais facilidade para entrar no universo das drogas. Uma contradição irreverente eu diria, pois com tanta informação e tecnologia podia estar mobilizando a sociedade e alertando para os perigos de se embarcar “nessa onda”…

Primavera

Imagem
Ipês floridos anunciam a primavera calma, nua e bela com a melodia dos pássaros e suas asas arfantes.
Os olhares se balbuciam sem palavras quem é que precisa delas, se há em volta paisagem tão marcante?
E a vida desperta em cores céus azuis, borboletas e flores sonhos, contos e novos amores...
Vida que renasce sob as últimas gotas de orvalho com perfume de jasmins e sorriso de criança e, um ruflar de asas com o encanto da esperança.

Quando a Inspiração se Faz Ausente

Imagem
Nos dias em que não escrevo, as páginas em branco choram, ficam perdidas sem saberem porque não mereceram as palavras.
Autora: Sandra Ribeiro
http://silenciomaisprofundo.blogspot.com/2011/05/quando-inspiracao-se-faz-ausente.html
Quando minhas palavras se calam, a Sandra consegue expressar com as suas, os sentimentos que me invade.

Soneto da Separação

Imagem
"De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente Fez-se de triste o que se fez amante E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante Fez-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente."
(Vinícius de Moraes)