Psiquiatra

Acabei de chegar da médica. É impressionante como os psiquiatras fazem "cara de paisagem" e não entendem nada. Tive vontade de bater nela com a voz incrivelmente doce e controlada. aff... Eu pago cerca de 360 reais para ouvir tudo o que eu já sabia... Ela me deu uma bronca (a moda inglesa né, falando baixo e tentando me fazer pensar) prefiro quando as pessoas gritam e falam realmente o que pensam. Tenho certeza que ela estava pensando “sua idiota, você queria se matar?" Eu tentei ser o mais direta possível. "Não vou tomar lítio de novo e ninguém vai me obrigar, tudo o que eu quero é um sedativo para dormir, nada mais que isso. Algo que bloqueie os pensamentos"... Ela respondeu calma "Te sugiro a terapia e uns dias na clinica, não lhe darei nenhum remédio, o que você precisa é se estabilizar e só o lítio pode fazer isso, se não quer, então aprenda a conviver com você mesma. E nada de sedativos..." Poxa! Porque ninguém me entende? Ela passou alguns anos enfiadas em uma faculdade pra poder "entender" a mente das pessoas e eu passei 24 anos comigo mesma. Quem sabe mais? Seria tão simples se ela me desse uma "porta de escape" algo que bloqueasse esses pensamentos estúpidos que me atormentam e... doem... Não aguento mais passar a noite entre soluços sentindo todo desespero de mim mesma, eu só queria dormir e... nada mais que isso. Pela milésima vez eu expliquei que não tentei me matar (as pessoas estão burras ou eu estou falando em outra língua?) "eu não tentei me matar" gritei com ela e "pára de agir como se eu fosse uma suicida" ainda... ainda não cheguei a esse ponto. Me divertir ao ver uma ponta de raiva nos olhos dela, talvez ela quisesse gritar comigo, sacudir meu corpo rs... mas logo a calma voltou no olhar e ela me explicou "você esteve à beira de uma overdose, e pode agradecer a Deus, se você acredita nele, porque a quantidade de haloperidol em teu sangue foi 35% a mais que o máximo que uma pessoa pode ingerir. Você é uma pessoa de sorte. “De sorte?” hahaha. É tão simples me entender, eu apenas desisti de tentar. Não quero mais “viver pra ver” as coisas acontecerem... não quero mais acreditar nas coisas que não fazem parte da minha realidade, não quero mais sonhar que vai ser diferente... simplesmente eu desisto de mim. Sou covarde ao ponto de não por um fim definitivo nisso, meus conceitos e crenças não permitem mas... não sei até por quanto tempo eu me agüento. Simplesmente não sei o que eu ainda faço por aqui. Eu corri contra o tempo por muito tempo, agora me resta parar e ver o tempo correndo de mim, porque simplesmente não quero mais continuar seguindo sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Armadilhas do Linkedin na busca de emprego

Palavras rasas sobre relações rasas.

Memórias do Heavy Metal - Mustaine