Sobre o tempo, política e pensamentos esquisitos...

Sobre o tempo, política e pensamentos esquisitos...
Eu sei que até meus leitores fieis já não me seguem mais, faz algum tempo que deixei esse hábito de escrever e meu blog tem ficado às moscas. O que ocorre é que tenho me dedicado à outras tarefas, quem é blogueiro sabe que não é fácil ter sempre um assunto para falar sem que isso seja monótomo e repetitivo, ainda mais na correria do dia a dia. 
Eu sinto falta desse espaço, sinto falta do carinho e da companhia que encontrava com as pessoas daqui, de trocar informações e criar uma rede de amigos com pensamentos, embora distintos, embasados. Mas, realmente, está difícil manter um ritmo. 
Já percebestes que estamos no final de setembro? Aquele clima (chato) de finais de ano já ameaça a aparecer, com os comerciantes em estado de êxtase e as pessoas com um "quê" de solidariedade fajunto e insuportável. Nunca gostei de finais de anos, é deprimente. 
Pra ajudar a complementar esse clima alucinante, em dez dias temos aí o maior evento (ou, pelo menos deveria ser) democrático do país. As vezes eu paro e fico observando esse espetáculo, claro, sem fazer parte dele. Essa guerra política estrondosa e baseada em muita falácia e pouca atitude. Este ano elegeremos presidente, governador, senador, deputados... mas são poucas as pessoas que sabem a real importância disso. O cidadão brasileiro está tão cansado dessa besteira toda de política que escolhem seus candidatos ao léu, com a pouca informação que circula e as cores dos panfletos mais bonitos. (Ou pelos que pagam mais). Essa campanha está muito suja e infundamentada, o mínimo que sabemos não é suficiente para decidir nas mãos de quem colocar o país. Ainda tem as questões dos favores políticos, dos ministros, secretários e toda a corja que no fim, só mudam de lugar, mas permanecem no poder. É irritante ser obrigado a contribuir com esse circo todo e continuar alimentando os palhaços. Nenhuma das propostas que li me convenceu o suficiente para acreditar em uma mudança, escolhi meus candidatos levando em conta o que é "menos pior" e não o que seria melhor e, para um país  que já teve força para derrubar o militarismo, é vergonhoso ver toda nação definhada nas mãos de pessoas incompetentes e desonestas. Eu fico pensando do que valeu toda aquela "marmota" de manifestações que houve no ano passado, se no fundo basta dar um pirulito e um chocalho pra todo mundo voltar pra casa.
Ainda nesse clima, mas mudando de assunto, até quando a sociedade brasileira vai se permitir ao regresso constante de cultura? Hoje eu assisti um vídeo em que dois grupos de funk se enfrentavam no programa (idiota) do Celso Portiolli, Passa ou Repassa. Fiquei boquiaberta com a capacidade daqueles adolescentes serem tão estúpidos. Sim, estúpidos no sentido literal da palavra. A incapacidade de saber respostas simples como adições matemáticas, ou plural de palavras. Isso me deixa irritada. Como pode uma pessoa desse nível ser considerada "artista" nesse país e, pior, influenciar uma massa? Apesar de amar minha pátria, essa inversão de valores, tanto na política, na educação, na cultura, na mente das pessoas, me faz ter uma imensa vontade de sair fora daqui e ir morar em um lugar onde as pessoas não se vendem tão fácil. A grama do vizinho me parece, mesmo, mais verde, sempre. 
Acho que o que mais tenho sentido falta é de um tempo para pegar um livro, sentar sob uma árvore qualquer e ler. Poder adentrar em um mundo paralelo que pertença apenas ao autor e a mim, sentir aquela sintonia, quase mágica, no virar das páginas, sem me preocupar com o tempo, com o que está havendo ou com o que preciso fazer... o tempo passa e a vida me rouba as coisas boas, os hobbys, aquelas pequenas coisas que fazem toda diferença no dia a dia. Viver está ficando complicado (ou sou apenas eu que ando ficando velha, mas isso é outra história).
Eu fico observando, principalmente no Facebook, os milhões de mensagens que pipocam o tempo todo, motivando, fazendo lembrar das pessoas, das coisas que existem além da tela do computador, mas nem mesmo quem fica postando isso todo dia vive essa realidade, tudo virou uma utopia tão grande, uma necessidade de se expor que chega a dar medo, quem não acompanha passa a estar fora da correnteza, que, no fundo, não leva a lugar nenhum. Vejo as pessoas se esquecendo como se vivem, o excesso de informação e a rapidez com que elas chegam até nós está nos deixando loucos... somos uma geração perdida, de pessoas doentes e histórias mal contadas.

Comentários

  1. Oi, amiga, que bom que veio escrever! Sempre leio! Eu estou bem pensativa ultimamente também, escolher um candidato está sendo muito difícil, ás vezes dá vontade de chorar, na televisão não há mais nada que vale a pena parar minha leitura para assistir, e tudo que eu tenho feito é escrever e ler, tentando escapar da realidade e ao mesmo tempo entendê-la. O facebook me deixa confusa. Ás vezes não sei porque estou lá, se faz alguma diferença ou se é apenas perda de tempo... Talvez eu também esteja ficando velha (rs) ou só esteja na fase da depressão, já que meus terapeutas acabaram de me dar o carimbo de personalidade borderline e eu ainda estou bem assustada com isso tudo! Como sempre você escreveu muito bem, amo tudo o que você escreve, e vou sempre te seguir! Beijos.

    http://www.gotinhasdeesperanca.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Armadilhas do Linkedin na busca de emprego

Palavras rasas sobre relações rasas.

Memórias do Heavy Metal - Mustaine