3

O Mordomo da Casa Branca

O Mordomo da Casa Branca
O Mordomo da Casa Branca é um filme que retrata a Gerra Civil, nos Estados Unidos, visto sob o olhar auspicioso de um mordomo que trabalhou trinta e quatro anos na Casa Branca.

A história começa nas lavouras de algodão, ao sul do país, no ano de 1926. Cecil Ganes vê seu pai ser morto com um tiro na cabeça pelo mesmo cara que estuprara sua mão minutos antes. Diante do desespero do garoto a senhora Westfall o leva para casa e o ensina como ser um "negro doméstico". Anos mais tarde, o garoto abandona a casa rumo ao norte, onde encontra trabalho em um pequeno hotel de estrada. Ganes já era um jovem adulto quando recebe uma proposta de trabalho para um grande hotel e, a partir daí, tem sua vida transformada ao ser convidado para servir na Casa Branca. 

Cecil tinha uma vida passiva e era um trabalhador exemplar, dedicado e discreto. Mas isso lhe trouxe problemas com sua esposa, Glória, e com seu filho mais velho, Loiz. Os problemas em casa se intensificaram com Glória viciada em álcool e Loiz partindo para o sul, onde todo movimento acontecia, e onde ele próprio passou a lutar pela igualdade de direito entre as raças.

Havia passado alguns anos, mas a discriminação racial estava no auge. Negros eram espancados e insultados pelo simples fato de existirem. Enquanto isso Cecil trabalhava assiduamente para servir os presidentes que se sucediam, mandato após mandato. Embora tradado como um negro, com direitos reduzidos, salários menores, nenhuma oportunidade, Ganes era bem visto na casa, todos os presidentes gostavam dele. 

Ao todo foram 34 anos de serviços prestados à Casa Branca, entre 1952 à 1986, sete presidentes governaram o país nesse tempo e Ganes testemunhara vários movimentos decisivos no país, como o movimento direto dos civis, o assassinato do Presidente Kennedy e a Guerra do Vietnã, onde perdeu seu filho mais novo, Charles. 

Ao longo do tempo, Cecil foi percebendo que esperar passivamente não iria por fim à opressão aos negros e, dia após dia, o racismo estava estampado nos rostos dos cidadãos americanos. Ele se demite da Casa Branca e vai protestar, junto com seu filho Loiz, que agora era deputado, pela libertação do Mandela no consulado Sul Africano. 

Dirigido por Lee Daniels, O Mordomo da Casa Branca possui um cenário surpreendente, bem estruturado que retrata, época a época todo o tempo entre 1926 à 2008. Outro ponto forte é o elenco, cuidadosamente escolhido, dando uma liberdade excepcional aos personagens que, ressalto, foram perfeitamente maquiados para tratar seus papéis durante o enredo. Digo ainda que poucas vezes vi no cinema uma riqueza de detalhes que maximizou o potencial da história. Com certeza, é um forte candidato ao Oscar 2014.

O tema principal do filme é a desigualdade racial e a luta que esse povo passou para conseguir, pelo menos um pouco, de liberdade de simplesmente ser. 

O filme termina com Cecil indo visitar, em 2008, o atual presidente, orgulho da raça negra, Barack Obama.

3 comentários:

  1. Seu texto ficou ótimo, muito bem escrito como sempre. Pelo jeito eu ia chorar bastante vendo esse filme, mas o que mais me interessou, como você já deve suspeitar, é toda essa parte psicológica que ele enfrentou até se demitir. Vou assistir com certeza! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Muito bem escrita sua resenha... Não cheguei a ver esse filme, mas gosto muito de filmes que retratam momentos históricos. Seu blog é bem legal, seguindo!!
    .
    http://leiagarotaleia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.