4

Jogos Vorazes - Suzane Collins

Jogos Vorazes - Suzane Collins
Não se sabe exatamente quando, mas é no futuro. Tudo o que restou da humanidade sobrevive em um novo país, chamado Panem, localizado onde é hoje a América do Norte. É neste contexto que a Capital governa 12 distritos, separados por cultura e meios de sobrevivência, atuando com um governo controlador que explora e oprime seu povo. A Capital, que vive de maneira desenfreada e esbanjadora, tortura os moradores dos distrito com um jogo, os Jogos Vorazes, em que todo ano são "sorteados" dois adolescentes, entre 12 a 18 anos, um feminino e outro masculino, para ser confinando em uma arena, sobreviverem e se matarem até que reste apenas um vitorioso.

Os Jogos são para lembrar à cada distrito quem detém o poder e o controle sobre Panem, pois, anos atrás, os distritos se levantaram contra a capital resultando em uma guerra, o que levou à destruição total de um décimo terceiro distrito. Com isso, a Capital mantém o domínio espalhando o medo e a rivalidade entre os doze distritos existentes.

Esse era o primeiro ano que Prim, a irmã mais nova de Katniss, se inscrevia nos jogos. Suas chances eram bem remotas, mas por ironia do destino a garota acaba por ser o tributo feminino do décimo segundo distrito. É claro que Katniss não permitiu isso, se oferecendo para tomar o lugar da irmã na arena. Prim não sobreviveria, enquanto Katniss, de 16 anos e com experiência de caçar ilegalmente na floresta por cinco, já teria alguma chance. Katniss conseguia comida extra para a família explorando a floresta, como fazia seu pai antes de ser morto em uma explosão de carvão. Passava a maior parte do tempo além das cercas com seu amigo, Gale, caçando e colhendo alimentos silvestres o suficiente para sustentarem suas famílias e conseguirem algum dinheiro com a venda de outras caças.

A partir do momento que se torna um tributo, junto com Peeta, a vida deles muda completamente. Passam a obedecer as ordens de sua equipe e vivenciar toda a bizarrice da capital, orientados por Haymitch, o único vencedor dos jogos do distrito 12, que agora era o mentor dos garotos.

Tudo é um jogo e Katniss e Peeta tentam, a qualquer custo, se manter alertas, mas como já haviam assistido várias versões dos anos anteriores, sabiam que precisavam jogar, precisavam conquistar o público da capital para conseguir receber alguma oferenda, como comida ou remédios, se estivessem em situação desesperadora. Então, sem opção, eles começam a realmente jogar.

Desde a semana de treinamentos e orientações até o fim dos jogos a tensão entre os tributos é grande. Os distritos mais fortes emanam uma superioridade sobre os distritos mais fracos, a voracidade dos idealizadores dos jogos é nítida, eles querem que os tributos se matem ao passo que forneçam diversão para o público e lembrem aos distritos que a Capital é dominante e agressiva sobre eles.


Suzane Collins criou um mundo interessantíssimo com uma trama bem elaborada. O livro Jogos Vorazes é o primeiro de uma triologia que se tornou um best siller da literatura e do cinema. O livro tem 400 páginas, mas o enredo é tão suave que pode ser lido em um dia, possui uma literatura simples e fácil permitindo uma leitura gostosa e intensa. 

Particularmente, acho que o contraste criado entre Capital e distritos é intensa demais. A população da Capital é tão bizarra que são quase desumanos, mas isso deu um ar de superioridade e diferenciação a esta. Além disso, cheguei a me perguntar se a autora não teve qualquer complexo com comida (e lendo o segundo livro, quase tenho certeza disso), pois a maneira como se dedica a descrever, tão minuciosa e detalhadamente que boa parte do livro se detém nos diversos pratos. Não que isso deixa a leitura menos interessante, mas a riqueza de menções me intrigaram. 

Também me fiz várias perguntas sobre os contrates apresentados na temática. A história trata da sobrevivência em uma arena comandada por pessoas sem escrúpulos, mas, por outro lado, os tributos são cercados de moda, beleza, maquiagens e afins. Cheguei a pensar que seria um equivoco, mas depois me lembrei que, realmente, os defuntos são ornamentados para seus enterros. Preferi levar a coisa toda para este lado, dando um sentido a toda bagatela criada. 


O livro, lançando pela editora Rocco, mereceu o sucesso que fez, proporcionando uma leitura distrativa, atraente e dispersa, própria para os dias de férias. 

Clique aqui para compra o livro.

4 comentários:

  1. O livro é muito bom e leva o leitor a vários reflexões. Será que todos nós não estamos vivendo nosso próprio Jogos Vorazes no dia-a-dia?
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Adorei o filme e estou muito curiosa em relação ao livro. Acredito que deve ser ainda melhor. Amei sua resenha.

    Beijos,
    biblioteca-de-resenhas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu ainda tenho que ler o livro, para conferir a qualidade em relação ao filme!Como disse anteriormente, olhei pra obra com um certo preconceito!Sou muito seletivo com o que leio, ou vejo, por conta de uma quantidade de clichês imensa que permeiam toda a indústria do entretenimento, mas confesso que achei bem interessante o filme!Meio espartano, meio revolução francesa, meio roma antiga!Achei bem digno!Já leu 1984?Se não, procura e experimenta!É muito bom!Um dos meus favoritos!
    Quanto ao seu comentário a respeito de fingir ter viajado, só pra ficar sozinho em casa, bem...Eu sou meio antissocial, e tenho muita dificuldade em ficar no meio de muita gente!Prefiro o meu ambiente controlado, meu sossego, um pouco de solidão!Eu queria muito ser sociável, já até tentei, mas não consigo!O pessoal, inclusive minha esposa, acham meio estranho, mas acabaram por acostumar!Aquele foi um texto meio autobiográfico!Hehhehe!

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.