1

Concerto for Group and Orchestra - Jon Lord

Que eu sou fã da mesclagem de rock com música clássica todo mundo sabe. Esse estilo musical que muitos intitulam de "rock sinfônico", foi uma combinação que deu muito certo, misturando as notas pesadas do rock, com suas guitarras e baterias à suavidade da música erudita. O resultado é simplesmente lindo, causando sensações únicas com os acordes e a harmonia que as canções ganham. 

Nesse contexto o Concerto for Group and Orchestra com Deep Purple e Royal Philharmonic Orchestra, conduzida por Malcolm Arnold, merece destaque. O concerto foi idealizado por Jon Lord, um compositor e pianista da banda Deep Purple (e outras) e pioneiro na fusão do rock com música clássica, em 1969. Na ocasião foi gravado um disco ao vivo que por muitos anos foi o único registro desse espetáculo, pois nos anos 70 as partituras do Concerto foram perdidas acabando com as possibilidades de realizarem novamente a performance por anos. Porém, em 1999 a partitura foi restaurada por Marco de Goeji e novamente Jon Lord e o Deep Purple executaram a obra no Royal Albert Hall, dessa vez ao lado da London Symphony Orchestra, conduzida por Paul Mann, contando ainda com a participação especial de diversos artistas, dentre eles o saudoso Dio. Esse show foi registrado num DVD chamado Deep Purple In Concert, o segundo registro ao vivo da peça.

O concerto, na verdade, é constituído de 3 “movimentos” bem longos, variando entre momentos orquestrados e épicos, com outros de puro classic rock, no melhor estilo PURPLE. Parece que estamos ouvindo alguma trilha sonora de um filme épico, com momentos bombásticos e tensos intercaldos de forma coesa e harmônica, e mostrando todo o talento de Jon como compositor.

Em 2011 foi lançada a versão de estúdio do Concerto. Como último suspiro do idealizador Lord, que faleceu, vítima do câncer, em 2012. Como não poderia deixar de ser, há diferenças entre as versões anteriores da obra, ao vivo, e a presente, mas nada que comprometa sua qualidade ou excelência. Uma verdadeira obra de arte, indicada para todos os apreciadores da boa música, e que mostra, pela última vez de forma inédita, a genialidade de um dos mais talentosos músicos que o mundo já viu, sendo obrigatório não só pela qualidade apresentada, mas também por seu valor histórico.

Um comentário:

  1. A onda dos selos voltou e tem um no meu blog pra vc, passa lá!

    Ah, e acho "rock sinfônico" lindo demais!

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.