1

Bem-Vindo Outono

Os primeiros rumores do outono já começam a despertar, em uma sintonia incrível com os tons de cinza que pintam os dias. A vida começa a reduzir seu ritmo, se preparando lentamente para receber essa estação cheia de magia e música. Os jardins se despem de sua beleza para dar lugar a uma paisagem sombria ramificada por galhos secos e flores mortas. E quem não ama essa leveza?

Pouco a pouco a intensidade do outono me seduz, e me leva aos devaneios mais íntimos e secretos de mim, aos sonhos largados para trás, às histórias sem fins... deixando na boca aquele conhecido gosto de silêncio e desespero. Minhas entranhas se desfalecem entre o precipício dos meus pensamentos e o abismo de minha dor, reconstituindo cada pedaço do meu corpo com estilhaços de devaneios incomuns. Me sinto em um lapso constante e irremediável, esmaecendo minha percepção em forma de nuvens claras em um céu azul...

O tempo passa, as horas se consomem, mas e como se o ar rarefeito não encontrasse as vias dos meus pulmões. Está difícil continuar em uma estrada sem destino. Me pego pensando em prospecções para um futuro próximo. Bate aquela vontade, já conhecida de permanecer no fundo dos meus medos, escondida dos ataques de realidade. Eu perco os segundo inventando mil histórias para preencher as páginas em branco, se eu pudesse simplesmente voltar... E não só voltar, mas reviver de forma mais inebriante cada momento. Não só reviver, mas aproveitar cada oportunidade na certeza que tudo o que mais queria seria arrancado de mim tão bruscamente quanto uma folha que cai, no outono.

Me vejo sem sentindo, perdendo as metamorfoses das estações que passam por minha janela. Me escondendo em cada canto sórdido que os ventos não alcançam. Vagando em passos lentos, pelo horizonte mórbido, em sentido contrário, só para reencontrar por aí vestígios do que teria sido, se fosse diferente. Eu não sei mais como seguir, como uma folha vagante, levada pelo vento, longe do seu jardim...

Um comentário:

  1. Olá, querida Marcela. O outono é a estação mais bonita do ano, apesar de todos preferirem a primavera ou o verão de Vivaldi. São tons de conforto, nuances de paz, nada das cores vibrantes e esfuziantes do verão. É tempo de serenidade e renovação. Não pense como seria, pense sempre em como foi, como os momentos foram bons enquanto tudo estava cheio de vida... Assim como o outono, renove-se para superar a dor, as tristezas. Não é fácil, sempre tento... Porém precisamos.

    T.S. Frank

    P.S: eu não sei o que aconteceu com seu comentário feito pelo Facebook. Simplesmente sumiu. Essa ferramenta que pensei ser mais vantajosa está dando bug. :)

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.