11

Saturno - Capital Inicial

Capital Inicial nos presenteia com mais um álbum. Como acontece sempre, há algumas músicas que eu relativamente criticarei por seu ritmo e estrutura, no entanto "Saturno" é um disco cheio de vertentes e com músicas que destacam o romantismo e e questionamentos políticos, com faixas inéditas pra trazer de volta a energia dos velhos tempos. 


“Esse disco é um pouco mais pesado, com tons mais escuros”, explica o baterista Fê Lemos. Para ele, assim como no disco de estreia, de 1986, a política brasileira foi um bom combustível para as composições, daí esse clima meio soturno. “Esse momento é de certa desilusão do que pareciam ser mudanças no País. O sonho de igualdade, a gente vai se aproximando e ele vai se afastando. O disco não traz soluções. Ele aponta um vazio, uma falta esperança”, complementa em meio a uma série de opiniões políticas que, segundo o músico, representam o consenso da banda.

O resultado desse vazio político sentido pelo Capital é um disco nervoso, urgente, forjado basicamente com baixo, bateria e guitarra. Apesar de ter sido apresentado às rádios pela balada “O lado escuro da lua”, sete das 11 faixas de Saturno são feitas a base de pancadaria e riffs. Nesse ponto, palmas para “Saquear Brasília”, uma das nove parcerias de Dinho Ouro Preto com Alvin L, espécie de irmão gêmea de “Veraneio vascaína”. Ainda no quesito referência, “Água e vinho” remete a “Fátima”, uma daquelas do espólio do Aborto Elétrico que ficou o Capital Inicial.

O nome Saturno, segundo Fê Lemos, foi escolhido também pensando nesse clima pesado do disco. “Ele era um deus severo”, explica. Coincidência ou não, ele acrescenta que depois de ter o trabalho batizado, descobriu que o planeta Saturno leva 29 anos para dar uma volta ao redor do sol, exatamente a idade da banda. Segundo o release, além dessas, outras simbologias se espalham pelo disco, como a já citada “O lado escuro da lua”, que remete ao clássico do Pink Floyd, The dark side of the moon. Já o rock que abre o disco, “O bem, o mal e o indiferente”, traz referências aos livros O bom, o mau e o feio, de Sergio Leone, e Cem anos de solidão, de Gabriel Garcia Marquez.

De fato, boa parte dessas referências passam despercebidas e só devem chamar atenção naqueles que ficam buscando mensagens secretas até onde elas não existem. Ainda mais por que, como em boa parte da produção roqueira nacional, as letras nunca foram o forte do Capital Inicial. Ainda assim, eles não se negam o direto de buscar imagens fortes para suas letras (“Nas paredes brancas do quarto sobrou poeira suja em torno dos quadros”, contam em “Poucas horas”). De fato, quanto mais sujos e punks eles soam, melhor fica (mais um ponto para “Saquear Brasília”). Ainda assim, é digno ver que estes senhores, todos com mais de 40 anos, continuam dispostos a encarar o rock com crueza e dignidade. E, melhor, no lugar de olhar para olhar para o passado, permanecem firmes na luta, pensando no futuro.
Algumas informações foram tiradas de: Jornal O Povo


Ouça O Lado Escuro da Lua

11 comentários:

  1. Tem meme para você lá no blog!
    http://louquinhaporlivro.blogspot.com.br/2013/01/meme-literario.html

    ResponderExcluir
  2. Eles são incriveis mesmo!
    E eu já falei pessoalmente com todos eles xD
    Quando eles estavam no aeroporto eu vi eles.

    Capital Inicial eterno

    ResponderExcluir
  3. Amo Amo os om do capital inicial. Acho uma banda muito foda..

    http://rodrigobandasoficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Adoro capital,muito bom esse albúm. Poucas horas e saquear brasilia são ótimas

    ResponderExcluir
  5. Tinha comentado aqui,n sei pq não apareceu meu comentário. Mas como dito anteriormente,sou fã do capital e adorei esse albúm. Poucas horas e saquear brasila são demais !

    ResponderExcluir
  6. Quando vi a nova "Lado escuro da lua" na TV, fiquei meio de mimimi por causa do PF, mas acabei gostando da música.

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro essa musica o Lado escuro da Lua, espero ainda ter tempo pra ouvir o cd todo, adoro Capital inicial
    Beijoos

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.