4

Contradições de Mim Mesma

Faz tempo que não faço isso. Sinto falta de escrever sobre o que eu sinto... sobre coisas que rondam minha cabeça. Alguma coisa mudou por aqui, só que ainda não sei dizer se é bom ou ruim. Eu vejo as formas, ouço as poesias, nem tudo faz sentido... hoje o céu está nublado, em tons de cinza, faz um dia bonito. Reconheço minha realidade na ausência de flores. O vendaval destruiu o jardim, agora sim está meio familiar. Confesso que já sentia falta desse gosto amargo na boca. Hoje, parece estar tudo em seu devido lugar.
Eu escuto canções antigas para intensificar o cheiro da saudade. Os perfumes que veem não sei de onde, invade meu quarto, deliciosamente vazio e deixa aquela sensação de quase desespero no ar. Bem no fundo de mim eu estou feliz, sim, feliz por saber que ainda posso encontrar quem eu sou. Volto agora ao meu esconderijo... eu ainda posso voltar.
Me permiti sonhar. Estupidamente acreditei que ficaria tudo bem se eu esforçasse um pouco pra tentar ser igual, mas eu sou mais que diferente, eu não quero fazer parte dessa massa. Quero continuar com a minha distância, quero continuar sendo ausente. Não sei ser diferente e, eu quero ser eu mesma. 
Eu até tentei trilhar outro caminho. Tentei descobrir como é ver as coisas com outros olhos, até busquei me entregar, me encantar, mas meu coração expulsa isso, como anticorpos que se armam e travam guerras com os seres estranhos que tentam nos invadir. Meu coração possui anticorpos contra a paixão e coisas assim. Não sei me permitir apaixonar e, de repente... é hora de mudar novamente. 
As vezes eu queria sim, me entregar a tal ponto de fazer com que uma pessoa seja parte fundamental para mim. Acredito que sinto falta de um amor que fosse incondicional e verdadeiro, tipo daqueles filmes que as pessoas sonham em envelhecer juntos... chega a ser bizarro, mas eu me guardo de mais. Não entregaria meu coração a um desses conquistadores que nos prometem a vida, até que se encontre outra princesa. Definitivamente, eu sou bem mais que isso, e simplesmente não consigo mais acreditar nos contos de Cinderela e príncipes encantados, pra ser sincera, acho que nunca acreditei neles... e sempre fui feliz assim.
Não sei ao certo o que está me incomodando, tem a ver com o ego ferido, ou o orgulho estraçalhado. É, tenho quase certeza que é isso. Estou acostumada que me peçam para não ir, ou que implorem pedindo outra chance, não que me deixem simplesmente virar as costas e sair. Sou sempre eu que faço isso, mas enfim... talvez dessa vez realmente não queria ver ninguém pedindo para ficar, quem sabe pelo medo de querer ficar... 
E eu estou de volta... aos meus textos, as minhas canções, aos meus livros e à minha solidão que é o que me faz bem. Estou feliz por saber que ainda não foi dessa vez que o desespero me fez perder a classe, ainda não foi dessa vez... E estou feliz por não sentir culpa, por não querer mudar... agora tudo o que eu preciso é ser eu mesma e aqui estou eu...

4 comentários:

  1. Essa busca interminável por aquilo que realmente somos...

    ResponderExcluir
  2. Testo perfeito. Se encaixou perfeitamente comigo.
    Adorei o blog, seguindo :)
    Passa lá?
    http://thebookofmydreams.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Engraçado me ver em um texto de outra pessoa!As pessoas estranham que não sintamos falta, ou que nos basta nossa solidão!É triste a nossa suficiência, mas acho bem melhor que a dependência!
    Abração pra vc!

    ResponderExcluir
  4. Você escreve muito bem, parabéns!
    Estou seguindo o seu blog :D
    http://seriesbooksmovies.blogspot.com/

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.