5

Tempo

Tempo...
eis tudo o que é inexplicável...

Hoje acordei com uma ansiedade fora do comum. 
Já há alguns meses, os dias amanhecem frios e escuros, mas para minha surpresa, o sol irradia pela janela... claro, intenso, insistindo para entrar e envolver-me em teu calor. É, o dia realmente acordou bonito... 
Abri a janela, deixei o vento entrar. Ainda faz um frio, mas está confortável. Vislumbro a paisagem. Bela! As águas tranquilas jorram, seguindo seu infindável curso, relatando histórias e memórias insondáveis. Todas as flores, os jardins estranhamente brindam esse momento em que a vida desperta alucinadamente. 
A primavera tem pressa de chegar... 
O dever me chama, tenho apenas poucos minutos para observar a cena. Observar, sem fazer parte dela. Não entendo como que, em apenas breves olhares em várias direções, consegui formular pensamentos e experimentar sensações tão rápido... na velocidade em que os segundos são consumidos e deixados para trás. Surpreendo-me com essa mera capacidade de imaginar, lembrar e sentir, ao mesmo tempo (ou não seria "tão" ao mesmo tempo assim) várias coisas do que já passou e algumas que estariam por vir (ou não).
Balbucio-me de incertezas...
O relógio insiste em chamar a atenção para não me fazer perder a hora. Fecho os olhos - um erro... Não mais que de repente sinto como se mãos invisíveis alardeassem entorno do meu pescoço, o ar não encontra mais o caminho dos pulmões, estou me sufocando com tudo aquilo que eu queria esquecer ou, simplesmente impedir de acontecer. Experimento o gosto urze de sangue na boca, misturada com as lágrimas que (não sei quando) começou a rolar. Essa manhã está linda de mais, mas fere os meus olhos... sinto como se o dia me desafiasse a deixá-lo passar, enquanto eu simplesmente continuo observando-o. Isso é quase um insulto...
Marcou-se o tempo e eu começo a andar pelas ruas ainda vazias. Mãos nos bolsos, uma música rolando baixo pelos fones, pensamentos atordoantes... Intento em me lembrar de quantas decisões será preciso tomar hoje, de quanto trabalho a planejar, de quantas pessoas a orientar (e suportar). A música chama minha atenção... "quando irei me permitir viver?" (ou algo assim). Eu não posso parar para refletir. As sete eu preciso marcar o ponto e deixar todos esses pensamentos para depois (mais uma vez). Preciso me focar nas realizações, naquilo que esperam de mim, sem músicas, sem poesias... é a realidade. O tempo não espera que eu resolva os meus conflitos pessoais... não há tempo para dúvidas, para medos e para decepções... 
Faço o que tenho que fazer (sou perita nisso), deixo todos os pensamentos guardados em um canto qualquer, sórdido e sombrio, da minha mente. Talvez eu até os esqueça lá por algum tempo. Mais uma vez estou aqui, com o velho sorriso enferrujado na face, sendo exatamente o que os outros querem (e precisam) que eu seja, desviando meus olhos do relógio que, por incrível que pareça, diminuiu freneticamente o ritmo de sua instância. Por ora, ainda admirando o reflexo insistente do azul do céu pela tela do meu computador. Evitando os olhares, as melodias... vivendo!
E perdendo minha vida para o tempo...

5 comentários:

  1. Na verdade não sei se escreve por escrever ou se se encontra realmente sem rumo...mas se sente que está perdida o nosso mestre mesmo nos diz que é o caminho...
    Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; João 14:6

    ResponderExcluir
  2. Sim, Jesus é o caminho, a verdade, a vida... o pão da vida, a videira verdadeira, o sal da terra... e por aí vai...
    todo mundo que conhece o mínimo de Bíblia sabe disso.
    E EU CREIO NISSO!

    Acontece que, o fato de crer me garante a salvação, mas não quer necessariamente dizer que AQUI, NESSE MUNDO, não sofremos mais. Em nenhum momento vejo Jesus PROMETENDO UM MAR DE ROSAS para ninguém. Pelo contrário, Ele fez questão de nos alertar que não seria nada fácil.
    É utopia dizer que, o simples fato de ser cristã, elimina todas as minhas dúvidas e incertezas sobre a vida. Nem as minhas, nem as de ninguém. Não aceito fazer parte de uma massa mentirosa e alienada (religião/igreja) que vive como se Jesus fosse um gênio da lâmpada mágica que, se você O encontra, todos os seus problemas estarão resolvidos... Eu vivo com os pés no chão, é mais seguro. Pelo menos não fico na esperança nem em uma crença sem fundamento.
    JESUS é o meu mestre, meu senhor, meu libertador. Isso é fato, irrevogável, irremediável.
    As incertezas da minha vida é algo que faz parte da minha existência, algo que me torna humano e não anjo. O medo é algo que me torna dependente de Deus.
    Não escrevo 'por escrever', escrevo o que eu sinto, escrevo sobre o que move meus pensamentos e minha mente... um dia cheia de dúvidas, no outro com meras certezas.

    ResponderExcluir
  3. Que gostoso o seu texto... Amei a forma de como me transportou para o seu mundo...

    Seguindo seu blog, querida.

    Se puder retribuir ficarei grata :)

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.