1

Gloire dans le Silence

"Estou a tanto tempo parado
Que estou desistindo de esperar
Minha esperança nunca morreria
Porém meu coração aperta-se em meu peito
Como uma mágica a chuva anestesia essa dor
A cada gota que cai em minha face
Seus olhos puros refletem-se em minha mente
Carrego lembranças suas
Mas em realidade você as desconhecem
Desconexas e ébrias, existem só em minha mente
Algo me diz que não virá
Mas não posso abandonar a confortável chuva
Não quero que todos os sentimentos acumulados
Despedacem-se por nada
O silêncio possui uma glória ilusória
Pois permite que imaginemos idealizações impossíveis
Que logo são descartadas por outras
Mesmo que eu me esforce
Nunca conseguirei largar este maldito vício
Idealizo me em um momento perfeito e desejoso
Enquanto estou apenas em um lugar sem vida
Em uma chuva que nunca me abandona
E é só o que é confortável sobre uma vida imaginada
É a doçura das lembranças vividas sem que elas tenham de fato
Existido..."

Por Bruno Borin Boccia (http://manoroftales.blogspot.com/)

Um comentário:

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.