Infinito

Lá fora a chuva é intensa
as ruas estão desertas
a cidade está fria...
Hoje as pessoas não quiseram colorir a cidade
está tudo em um tom silencioso de solidão
e vazio.
As flores dos jardins estão dançando em alegria
com suas secretas orações de agradecimento
a magia que faz da vida um espetáculo.
Quando todos se calam é que posso ouvir a canção do flautista
que de horizontes límpidos pela chuva, desenham nas estradas
e meu espírito insiste em seguir nesse caminho.
E na chuva os bosques não gracejam com as borboletas
e mesmo com o colorido da primavera, as florestas são sombrias
e as palavras no vento continuam sem sentido.
Mas é só um dia de chuva que observo pela janela
o resto é fantasia da alma,
um ponto de fuga para o infinito.

Comentários

  1. mt lindo realmente.
    quem dera eu saber escrever tão bem assim.
    bjinhos

    ResponderExcluir
  2. Lindo ! ótimo
    sucesso!
    http://medicinepractises.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mah! Eu leio poemas de todo tipo e não sinto nada quando escritos por homens, acho que são incompletos, rochosos, forjados.

    De onde vcs retiram tanta pureza e magia? Sinto as almas. Arrepio!

    ResponderExcluir
  4. A magia?
    bem... as vezes vem da chuva, outras do sol... ou do vento...
    mas sempre da alma, do sentimento que está sempre cativo aqui dentro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É um prazer tê-lo (a) aqui.
Obrigada pela opinião e volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Armadilhas do Linkedin na busca de emprego

Palavras rasas sobre relações rasas.

Memórias do Heavy Metal - Mustaine